IDÉIAS PARA PROMOVER A SEGURANÇA PÚBLICA



                                                      SEGURANÇA PÚBLICA
Polícia na rua é reivindicação comum da população quando o assunto é segurança pública.
Mas, segundo especialistas e líderes comunitários, a tarefa mais segura uma vila, um bairro ou uma cidade depende de vários outras ações. E a participação popular é fundamental. Esse envolvimento da comunidade, porém, é mais difícil de conseguir do que se imagina.
 Num bairro da Cidade de Industrial de Curitiba / Brasil, a maior bairro da capital, há 125 grupos comunitários, de acordo com um levantamento feito pelo pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPUC), em 2007. Apesar disso, o bairro é o que concentra o maior número de homicídios na capital.. A explicação é simples: sozinhas, as lideranças não conseguem mudar a realidade da região.
É que além de policiamento e atuação da comunidade, a construção da segurança pública exige mais. Veja a seguir quais são as ações fundamentais para tornar uma comunidade mais segura, na visão de pessoas que conhecem a realidade dos bairros – as lideranças comunitárias – e dos sociólogos, que realizam estudos na área de segurança pública.
Veja como segurança pública pode melhorar , na CIC ou em qualquer lugar do país.

Por falta de uso espaços de lazer 
tornam-se ponto de tráfico de drogas 
e moradores de rua.




Praça abandonada

  • Ocupação social do bairro  A integração social é importante para a promoção da segurança. ” É preciso ter um bairro socialmente ocupado, com prestação de serviços como saúde pública de qualidade, boa infraestrutura de educação e criação de espaços de socialização – não somente destinados aos jovens, mas para a família”, diz o sociólogo Pedro Bodê, coordenador do Grupo de Estudos da Violência da Universidade Federal do Paraná (UFPR). As instituições que atuam na região devem estar unidas para que o trabalho se desenvolva melhor, lembra o sociólogo Lindomar Bonetti.
  • Políticas adequadas aos jovens –  Antes de pensar no futuro profissional do jovem, é importante que sua cidadania e seu caráter seja moldados. “As atuais políticas públicas para jovens visam somente a preparação para o trabalho, mas, com as mudanças estruturais da família, com pais e mães trabalhando fora, é preciso que esses jovens encontrem um lugar de escape e discussão de seus conflitos”, diz Bonetti. A falta de um contraturno escolar de qualidade é citado como fator preocupante. Regina Reis, líder comunitária do Moradias Sabará – Curitiba / Brasil conta que o projeto Piá Ambiental da Secretaria do Meio Ambiente mudou bastante o seu perfil. Antes mais voltado para o trabalho de questões de cidadania e família, agora o projeto é voltado para o reforço escolar.
  • Combate ao tráfico – Coordenadora de um projeto social privado feito na região, a irmã Anete Giordini diz que a facilidade para encontrar drogas é absurda e que os pais estão impotentes diante do problema. ” Não é que a família seja descuidada. São pessoas trabalhadoras, que lutam no dia a dia para dar boas condições de vida aos jovens, mas o excesso de trabalho acaba distanciando pais e filhos”.
  • Polícia na rua – A percepção da comunidade da CIC é parecida com a de muitos outros locais de Curitiba/ Brasil e de outras cidades do Paraná e do país: falta policiamento nas ruas. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Paraná, não há como precisar o efetivo disponível de policiais na região, porque o número é rotativo. Quando há necessidade, o efetivo de outras regiões é deslocado, o que para o líder comunitário Salésio Back só confirma o problema:”Antes tinha as viaturas da Polícia Militar que faziam a patrulha, agora eles só vêm pra cá quando acontece alguma ocorrência”. E um lugar onde há policiamento adequado tende a ser degradado ao longo do tempo. A falta de segurança faz com que a população se afaste das áreas de lazer do bairro, deixando o lugar livre e disponíveis para traficantes, moradores de rua  e usuários de drogas. “Toda e qualquer estrutura física que esteja abandonada de sua função tende a gerar criminalidade”. afirma o Coronel da PM Roberson Bondaruck.
  • Apoio à família – A atual estrutura família tende a separar pais e filhos que não conseguem achar um “horário na agenda” para conversar. ” O fato de o pai e mãe saírem de casa cedo e voltarem tarde, somando-se ao tempo ocioso que muitos desses meninos e meninas têm, reflete na busca pela droga, na gravidez precoce”, diz Lindomar Bonetti. Para os líderes comunitários, o Conselho Tutelar tem deixado a desejar. “Já houve casos em que os conselheiros simplesmente disse aos pais que o problema com o filho deles era falta de educação em casa”, queixa-se regina. Já o Conselho Tutelar do bairro reclama da alta demanda e falta de recursos humanos. ” Para um bairro com quase 180 mil habitantes, em que 35% são crianças e adolescentes, é desumano pedir que a gente consiga atender todo mundo”, diz o conselheiro Luciano da Silva Inácio.
Em quanto os estados e governo federal ficam decidindo de quem é a responsabilidade da segurança pública a segurança privada vai tomando o seu espaço com tecnologia e qualificação de seus profissionais, deixando assim um  bom exemplo de que quando se investe em segurança quem ganha é o cidadão.

Fonte: Jornal Gazeta do Povo
Matéria: Angélica Favretto


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: