SEGURANÇA NO ESTÁDIO COUTO PEREIRA FOI FEITA POR EMPRESA DE LIMPEZA

Ao time do Coritiba após a confusão e desordem promovida pela sua torcida após a partida de domingo dia 06/12/2009, em que o clube foi rebaixado para Série B, foi constatado que a empresa que prestava serviço de segurança é irregular.
“Limpeza em prédios e em domicílios”. “Atividades de limpeza não especificadas anteriormente”. São essas as descrições da empresa contratada pelo Coritiba para desenvolver a segurança na partida contra o Fluminense, que terminou em brigas e invasão de campo no Estádio Couto Pereira.É o que consta no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) da Defenser Vigilância e Serviços. De acordo com o Sindicato dos Vigilantes de Curitiba, a empresa sequer poderia estar inscrita entre as licenciadas pela Polícia Federal para desempenhar atividades de segurança privada.Defenser e Coritiba foram denunciados ontem na Polícia Federal pelo presidente do sindicato, João Soares. “Essa empresa é ilegal. Se o clube tivesse contratado uma empresa de segurança privada reconhecida, a própria empresa se responsabilizaria pelos problemas no estádio”, explica.O valor médio repassado pelo contratante para a empresa por cada segurança contratado é de R$100, segundo o presidente do sindicato. Ele afirma que o clube pagaria um valor semelhante caso contratasse uma empresa de segurança legalizada.“A diferença está nos encargos. Uma empresa devidamente reconhecida pela Polícia Federal paga os tributos de cada funcionário. As irregulares não pagam. Sem nenhuma responsabilidade assumida pela empresa, na verdade, quem ganhou dinheiro ali foi o atravessador”, explica Soares.Os valores não foram confirmados pelo Coritiba, que também não nomeou seu responsável pela contratação de seguranças. Um documento referente à empresa de segurança, repassado pelo clube à imprensa, aponta Adilson José Mazon como responsável pela Defenser.A empresa de “vigilância” tem endereço sede localizado em Colombo, região metropolitana de Curitiba, segundo consta no CNPJ. A Polícia Federal confirmou a denúncia e disse ter notificado o clube, requisitando dados relacionados a Defenser.De acordo com o Agente de Polícia Federal Wilson Ferreira Bonfim, “empresa e clube serão notificados assim que a Delegacia de Segurança Privada da PF no Paraná receber e analisar a documentação”.Como pena pela atividade ilegal, caso condenada, a empresa pode ter ainda hoje suas atividades encerradas. O clube também será comunicado. Caso insista na contratação de empresas não reconhecidas pela Polícia Federal, corre risco de ser responsabilizado por qualquer incidente ocorrido em seus domínios.Em nota oficial, o Coritiba afirmou que trata-se de um “assunto administrativo com detalhes e informações concernentes ao Clube, à empresa e à Polícia Federal (único órgão fiscalizador desta atividade), e tais fatos estão sendo acompanhados pela referida autoridade.Ainda asseguramos: o Coritiba Foot Ball Club, por orientação da PF já havia solicitado providências à empresa – que presta serviços ao Clube e outros da capital – para que se regularizasse nos termos da referida orientação. Tal solicitação já estava sendo providenciada pela mesma. Demais providências serão as aconselhadas pela Polícia Federal”. A reportagem entrou em contato com o telefone de identificação da empresa presente no relatório emitido ao Coritiba, sobre o número de seguranças.Atendida por uma pessoa identificada como Sargento Bião, recebeu a seguinte resposta ao questionar sobre a ilegalidade da Defenser em relação ao registro na Polícia Federal: “Confere. A Defenser é uma empresa de serviços. Tem CNPJ, tudo mais. Foi comprada faz aproximadamente um mês e meio. Desse tempo pra cá, estamos procurando a Polícia Federal para regulamentar a empresa”, disse ele. Pouco depois, desligou o telefone, nem entrou em contato, para dar outras explicações.

17/12/2009
FIRMA DE SEGURANÇA DO ESTÁDIO DO CORITIBA NÃO TEM LICENÇA PARA ATUAR
Defenser Vigilância e Serviços, empresa que cedeu os seguranças ao Coritiba na partida contra o Fluminense que terminou em pancadaria, com a invasão de campo por torcedores, não está autorizada pela Polícia Federal a prestar esse serviço. O Coritiba, em nota, disse ter conhecimento da situação. A Delegacia de Segurança Privada da PF deve lavrar auto de encerramento das atividades não autorizadas da empresa. O clube será notificado.”Estava assistindo ao jogo em casa e, pelas imagens, já observei falhas”, disse o presidente do Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado do Paraná (Sindesp), Jéferson Furlan Nazário. No dia seguinte, após receber telefonemas confirmando que a empresa era irregular, fez a notificação à PF. “Não se pode ver só o preço na hora da contratação”, destacou Nazário. De acordo com ele, uma empresa regularizada faria um plano de segurança, com rotas de fuga e uma série de quesitos para evitar que os “mais inflamados” invadissem o campo.O presidente do Sindicato dos Vigilantes de Curitiba, João Soares, garantiu que, se seguranças habilitados e com registro profissional estivessem trabalhando, o problema teria sido menor. “Pegaram pessoas aleatoriamente na rua”, criticou.Uma delas é um pedreiro de 42 anos – que não se identificou -, várias vezes convidado por colegas para esse trabalho. “Eu tenho um porte de segurança”, afirmou. Mas nenhuma técnica. “A orientação era para fazer a segurança preventiva e, se houvesse alguma aglomeração, era para ir lá e acabar com aquilo.” Vestido com terno preto, estava postado na área próxima de onde os torcedores invadiram o campo. “Na hora ainda tentei acalmar, mas vieram uns 30 para o meu lado”, disse. “Fomos instruídos, então, a cair fora e deixar a polícia segurar. O resto vi em casa.”Pelo trabalho recebeu R$ 40. Segundo o agente da PF, Wilson Ferreira Bonfim, o órgão deve reiterar a orientação a entidades que organizam eventos para que contratem apenas empresas regularizadas.A assessoria do Coritiba disse que a empresa presta serviços ao clube há cerca de 15 anos, mas teria mudado de proprietário recentemente e estava em processo de regularização. Em nota, o clube se justificou. “Por orientação da PF, o Coritiba já havia solicitado providências à empresa. A solicitação já estava sendo providenciada.
Fonte: Paraná Online data: 16/12 e 17/12/2009 Estadão
Matéria publicada no blog:segurancaprivadadobrasil.blogspot.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: