A SEGURANÇA E A GESTÃO NEOLIBERAL NOS CONDOMÍNIOS.

De fato, imóveis em condomínios fechados são mais valorizados devido ao valor agregado da (suposta) segurança oferecida aos moradores. Para obter essa vantagem (comercial), muitas imobiliárias, síndicos e proprietários, procuram manter uma segurança ostensiva (aparente): vista como excelente por leigos, deficiente por consultores de segurança e vulnerável por criminosos.Cada vez mais fantasiosa, a vigilância eletrônica tem sido usada para aumentar a “sensação” de segurança no local, atraindo leigos compradores de imóveis. Porém, crimes reais apavoram os moradores e desvalorizam seus imóveis. Em nosso sistema econômico capitalista, a resposta “lógica” para isso tem sido a obsessão por produtos visíveis, modernosos e baratos: alarmes (falsos), cercas elétricas (sem eletrificação) e câmeras (falsas) com avisos mentirosos: sorria, você está sendo filmado…O sistema econômico capitalista, gerador de riscos por excelência, não contempla investimentos em segurança real. Na verdade, a obsessão de muitos gestores são as bravatas econômicas: meros blefes tecnológicos para agregar valor aos imóveis, manter as supostas vantagens e os lucros nos negócios. Comportamento irresponsável onde o cliente lucra, a segurança perde e a criminalidade ganha.A jactância e a parlapatice são comportamentos de risco, comuns na sociedade competitiva. Contudo, criam uma demanda para consultores de segurança, sistemas de vigilância eletrônica, alarmes, câmeras, cercas eletrificadas, automação, biometria… Embora só para impressionar e agregar valor aos imóveis. Porém, as tecnologias para segurança não devem servir somente às gabolices de proprietários de imóveis só porque eles são os gestores e detentores das verbas. Na relação de consumo de vigilância eletrônica, as tecnologias devem atender à segurança presumida nelas, tornando necessária uma mudança de cultura e de atitude desses gestores/consumidores/usuários.Muitos adoram jogar Pôquer valendo dinheiro, mas detestam investir em tecnologia (o suficiente) para obter a segurança presumida. Acham que isso não adianta, só trás gastos e prejuízos… Preferem ignorar os riscos e seguir em busca do lucro, sem assumir responsabilidades com a segurança de todos. Administram com o vício de lucrar, de obter vantagens, esquecendo que os condomínios não são empresas onde se podem acumular lucros; o dinheiro que sobra tem que ser investido em benefícios (reais) ou devolvido aos moradores.Ninguém quer “perder” no jogo econômico-financeiro. Com isso, administradores de condomínios desenvolvem estratégias comerciais agressivas. Contudo, não tem quaisquer estratégias para a segurança. Não tem prioridades definidas. As responsabilidades não são assumidas nem compartilhadas; são “transferidas” através da terceirização. A segurança esperada por todos é gerida como uma grande barganha. Assim, a melhor tecnologia para vigilância se reduz em medida aparente, paliativa e enganadora: um arriscado blefe! Tudo para enganar ladrões “de galinhas”, justificam. E se os ladrões não forem “de galinhas”?Contrariados -mas pressionados pelas circunstâncias- gestores acabam investindo timidamente dizendo: “a segurança profissional é um mal necessário”. Isso cria uma lógica absurda, na qual um “mal” é necessário para proteger os “bens”… Ressentidos por deixar de comprar “bens” e obrigados a investir num “mal”, contratam empresas de segurança só para transferir suas responsabilidades a elas, numa gestão que oculta o desejo de manter a barganha sempre “vantajosa”, mesmo que a segurança tecnológica se torne só aparente.”Se vira, agora o problema é teu”, dizem os gestores. Assim, se houver crimes, põe-se a culpa na tecnologia ou naqueles que se curvaram aos “desejos inconfessos” dos clientes. Para esse tipo de gestor, as empresas sérias do ramo e os profissionais competentes se tornam inconvenientes; mostram os riscos e desnudam a má conduta administrativa. Isso exige atitudes corretas, gestão responsável e investimentos em tecnologia proporcionais ao risco.Com sua noção de lucro “prejudicada” pela segurança, muitos gestores se vingam; se tornam “inimigos” da segurança e insistem em não assumir suas responsabilidades. Não colaboram com nada, mas culpam os profissionais por tudo. Alguns até sabotam a (própria) segurança para criar justificativas de cortes nas verbas ou a troca da equipe.Raros condomínios valorizam a segurança pelos resultados; seja pela eficácia das tecnologias, por riscos controlados, patrimônios protegidos, vidas preservadas… Muito menos pelo lucro: o valor que a segurança tecnológica, mesmo que aparente, agregou aos imóveis. Se paga pouco e compra-se barato justamente para ficar com o dinheiro e lucrar!No sistema capitalista, nos negócios da segurança, a gestão neoliberal dos clientes estabelece prioridades equivocadas e instáveis: na hora de fechar contrato dá-se muito valor ao dinheiro e pouca importância ao risco patrimonial e humano. Na hora de instalar, a economia e a estética tem prioridades mas, na hora do crime todos querem a segurança presumida na tecnologia. A segurança só tem prioridade momentanea, na hora de atribuir culpa aos “terceirizados”: a quem se “transferiu” todas as responsabilidades. Quando não se consegue responsabilizar alguém próximo, culpa-se o prefeito, a polícia, o Estado e até o presidente da república…Embora muito vulneráveis, imóveis são anunciados (mais caros) com esse status: conforto, lazer e “segurança total”… Assim, todos vão lucrando com isso até que ladrões percebam o descaso com a segurança. Aí quem lucra são eles!”Lucros” sempre vem associados a “Riscos”. O trabalho da segurança profissional é controlar riscos. Os lucros obtidos indevidamente nas barganhas com a própria segurança são vantagens instáveis e provisórias. Fragilizam o esquema de segurança e realimentam o ciclo da criminalidade.A especulação neoliberal com a segurança é muito comum, mas claro que nenhum gestor assume essa conduta claramente. Supostamente para proteger bens e pessoas, muitos gestores de imóveis ensejam para os profissionais da vigilância eletrônica uma espécie de “missão secreta”: fazer uma segurança privada modernosa, dócil e barata; submissa e pronta para “assumir” total responsabilidade; supostamente pronta para pagar possíveis prejuízos que venham ocorrer. Assim, esses gestores “lucrariam” mais sem precisar gastar dinheiro com uma seguradora…Mas o que parece genial encobre uma fraude na gestão da segurança. Com um comportamento negligente e omisso, os gestores-clientes querem “transferir” toda a responsabilidade a terceiros: os prejuízos morais, sociais e financeiros. A arrogância e a má vontade dos gestores criam um ambiente hostil, não para os ladrões, mas para os profissionais da segurança. A má fé de gestores traz o mau uso da tecnologia, a quebra do sigilo dos sistemas e da relação de confiança com a equipe. Assim são os gestores que querem proteger apenas seus lucros e terceirizar uma tarefa inglória: a segurança.A conduta social irresponsável com a segurança leva ao sucateamento de todo o apalhelho de segurança, público e privado. Não é à toa que o artigo 144 da Constituição Brasileira foi escrito assim: “Segurança é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos”.Segurança se faz com um conjunto de medidas harmônicas e sustentáveis. As tecnologias, de modo absoluto e isolado, não trazem segurança real e econômica. Tudo é vão sem real interesse e participação do cliente, apoio do Estado e colaboração da sociedade: políticos, profissionais, clientes, gestores, usuários…Sem prioridades estratégicas e responsabilidades claras, muitos gestores vão continuar regateando assim: “ladrões são invencíveis; nada disso adianta; tudo isso é falho, mas quanto custa? Se algo ocorrer vocês pagam?…”. O desdém na segurança só serve para evitar investimentos e atitudes necessárias. Quando a busca de qualidade e especialização é uma balela, o que realmente se pretende com a terceirização é transferir as responsabilidades com a segurança e o ônus para terceiros.Chamo tudo isso de “gestão neoliberal”. Na prática, a gestão da segurança de muitos condomínios é assim: vantajosa, liberal, moderna e fadada ao fracasso.
Não esqueça de participar das enquetes do Blog é muito importante a sua participação, e você também tem a opção de deixar o seu comentário pessoal logo abaixo da matéria publicada como também de cadastrar o seu e-mail e receber informação e novidades.
Fonte: http://culturadasegurança.blogspot.com/

Imagem: http://www.googleimagens.com/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: