A TONFA NO BRASIL

Defesa Milenar – Originalmente confeccionada em madeira, a Tonfa traz da
antiga China suas melhores formas de utilização. Chamada suas melhores formas de utilização.Chamada de Tonkuwa, na antiga língua chinesa, a Tonfa era empregada como uma ferramenta agrária. A época, o imperador japonês confiscou todas as armas que estivessem em mãos de chineses para evitar rebeliões contra o Japão. Assim, sem quaisquer outros meios de defesa, os habitantes da ilha de Okinawa foram os primeiros a utilizar a Tonfa como arma contra os ocupantes japoneses.
Reza história que um jovem agricultor, ao ser agredido em praça pública pelos ocupantes japoneses não teve outra escolha a não ser utilizar-se da Tonfa para se defender contra os ataques do Nunchaka: já que havia próximo dali várias lavradora chinesas que batiam arroz para tirar a casca, o jovem chinês sem ter como se defender não teve outro modo tomou a Tonfa das mãos de uma delas e conseguiu se livrar do ataque. A partir daí, ao pensamento sobre o acontecido, os grandes Mestres de artes marciais passaram a desenvolve várias técnicas com a Tonfa e também utilizando outras tantas ferramentas agrícolas, tais como a vara longa, o tridente e a enxada, além dos remos dos barcos de pescadores e até mesmo o Nunchalo.
Foi essa basicamente, a razão pela qual a Tonfa passou a ser apreciada de modo positivo pelas grandes artes marciais tais como o Kung-fu, o Tae-Kwon-Do, o Karatê e outras.


COMO TONFA ENTROU PARA A SEGURANÇA
Após o final da 2º Guerra Mundial, muitos mestres de artes marciais imigraram para os EUA, onde passaram a divulgar suas milenares e diferenciadas técnicas orientais. Contudo, passaram-se muitos anos até que a Tonfa finalmente ganhasse a admiração dos norte-americanos, acabando por ganhar um novo nome, um novo manete e, devido à avançada tecnologia daquele país, um material mais resistente do que a madeira.
Os estadunidenses passaram então admirar a Tonfa e suas múltiplas utilizações. Desse modo, eles deixaram de lado o cassetete, termo que designa o instrumento cuja, denominação original é casse-tête (vocábulo de origem francesa), aperfeiçoaram o manete o qual que era liso e confeccionaram a Tonfa em materiais sintéticos de alta resistência mecânica como, por exemplo, e principalmente a fibra de carbono. Assim, em 1970, a Tonfa passou a ser conhecida nos EUA, recebendo finalmente naquele país ocidental o nome carinhoso de Monadnock sob o qual a Tonfa efetuou, pelas mãos de norte-americanos, seus primeiros passos no mundo da Segurança, sendo eles então os primeiros a utilizá-la com tal intuito.
Nos anos 80, a Tonfa passou também a ser divulgada em alguns países da Europa, tais como a Inglaterra, Alemanha, Dinamarca e França, sendo este último o país que mais levou a sério o assunto: tratou a Tonfa como arma, instituiu leis para a sua utilização e criou até um porte. Hoje na França, existe a Federação Internacional de Tonfa. Lá são ministrados vários tipos de cursos de manejo.
A necessidade desse tratamento rigoroso para com a Tonfa dá-se por sua eficiência, como também pelos danos causados por sua possível má utilização. Se cair em mãos erradas, pode levar um inocente à morte. Ao dificultar sua aquisição e seu porte sem habilitação, muitos problemas são evitados na França.
Contudo, como poderia inicialmente parecer, as técnicas com Tonfa utilizadas em artes marciais não têm utilidade na Segurança Pública e Privada, pois tais técnicas são especialmente desenvolvidas para cada tipo de Luta. O dia-a-dia da Segurança é bem diferenciado, já que existem certos tipos de ocorrências, tais como conflitos, desocupação de terras, tumultos em estádios, agressões a pauladas, chutes, facadas e etc. em que nada adiantaria utilizar as técnicas exclusivas das Artes Marciais.
Em alguns poucos países da Europa, Armas de Fogo são empregados por Policiais apenas em operações especiais, já que entendem que, para o policiamento ostensivo diário, lá não há a necessidade de uso delas, sendo muito prático deter um indivíduo com a Tonfa ao invés de precisar utilizar disparos de Arma de Fogo as quais, em mãos destreinadas, podem vir atingir inocentes. Vale lembrar que os Policiais que empregam a Tonfa em tais países são altamente treinados para isso.
Por nossos conhecimentos de Artes Marciais e muitos anos de dedicação a Segurança Pública e Privada, envolvemo-nos em vários estudos e tipos de treinamento com a Tonfa, tirando disso um grande proveito para o dia-a-dia da Segurança em nosso país, já que foram desenvolvidas técnicas seguras e avançadas, adequadas à nossa realidade.
Verificou-se que, em nossos acontecimentos atuais, o cassetete deixava muito a desejar, principalmente para os elementos pertencentes à Segurança Privada, os quais por força da lei não podem portar algemas. Assim, eram distribuídas várias ‘’ cacetadas ‘’ e o infrator passava de vítima, algo que ainda acontece, e muito.
A Tonfa, por sua vez, propícia os seus portadores defesas e imobilizações eficientes, comprovadas pela utilização mundial de tal artefato, durante muitos anos, por parte de vários usuários devidamente habilitados e plenamente satisfeitos com os bons resultados por eles obtidos.

A TONFA NO BRASIL E O MÉTODO VASQUES
Ao vir para o Brasil o que aconteceu somente em 1985, a Tonfa teve que ser adaptada aos padrões de altura dos brasileiros já que, na época, não existiam Tonfas de fabricação nacional. As Tonfas importadas tinham proporções muito maiores do que as atualmente aqui fabricadas, medindo 80 centímetros de comprimento.
A estatura média do norte-americano é muito maior do que a do brasileiro padrão. Para ficar adequada ao manuseio, ela deve ser alongar-se 80 centímetros mais, em seu comprimento, em relação ao cotovelo do portador. A Tonfa norte-americana, por sua vez, impossibilita alguns movimentos para os brasileiros. Após a adequação por nós efetuada, ela passou a ter aproximadamente 58 centímetros, sendo 13 de uma extremidade ao manete, e 41 centímetros do manete à outra extremidade.
Historicamente, o primeiro estudo de emprego da Tonfa no Brasil foi encomendado para a FEPASA, porém não tendo à época grande apreciação da diretoria daquele Órgão. Contudo, logo depois o Metrô de São Paulo passou a utilizá-la, seguido por alguns outros usuários, como por exemplo, empresas voltadas ao mercado de Segurança Privada e também por Polícias Militares e Guardas Municipais de todo o Brasil.
Quanto ao Método Vasques de Tonfa, ele foi criado a fim de ensinar aos portadores de Tonfa e Empresários da Segurança o modo correto de utilizá-la.
Sabemos que hoje, no Brasil, a Tonfa faz parte do equipamento de trabalho de Policiais, guardas municipais, seguranças pessoais, guarda-costas e vigilantes. O que, porém, não é passado a estes profissionais é que a Tonfa é apenas um instrumento auxiliar de defesa, altamente perigoso e, se empregado incorretamente, pode causar lesões gravíssimas ou até mesmo levar a pessoa atingida à morte.
Este método é o único no Brasil com patente registrada, e há uma razão para isso: um produto patenteado é mais fácil de ser fiscalizado. O método adverte sobre os pontos vitais do corpo humano de forma consciente e eficaz, não havendo necessidade de se ser perito em anatomia para saber onde não se deve ou não se pode bater com a Tonfa e isto é plenamente esclarecido durante o transcorrer do curso.
Tivemos, em todos esses anos, oportunidade de visitar várias Corporações, Órgãos e empresas que utilizam a Tonfa, e acabamos por levar uma péssima impressão disso, pois os profissionais, durante ocorrências, acabam se auto-agredindo, perdendo suas Tonfas e deixando de utilizá-las por não saberem como, achando ainda que seja mais fácil atirar do que utilizá-la. È importante ressaltar também que, em conflitos, muitos colegas perderam a Tonfa e tiveram que pagar outra para a Corporação ou empresa. Em outros lugares, os profissionais utilizam a Tonfa pela extremidade, com efeito ‘’martelo’’, e a acabam também por pedê-la, por vezes apanhando com seu próprio instrumento de trabalho. Outros apenas a portam no cinturão, não sabendo nem mesmo qual é o seu nome correto!
Exemplos vivos têm aqui mesmo no estado e na cidade de São Paulo: em quantas manifestações urbanas pudemos ver a Polícia perdendo seus instrumentos e, às vezes, ainda apanhando com eles? As Guardas Municipais também são vítimas de tal tipo de acontecimento, principalmente ao lidar com os chamados ‘’marreteiros’’.
Paralelamente, tem acontecido de vários instrutores de defesa pessoal estarem se apresentando como Mestres-Educadores de Tonfa, mas isto é uma grande inverdade, pois as técnicas por eles utilizadas geralmente deixam muito a desejar, já que na hora ‘’H’’, não funcionam e geram problemas. Se o portador não souber ao menos empunhar a Tonfa de forma correta, seu conhecimento é zero. Em tais casos deve haver, necessariamente, um treinamento prático e quando a isso nos referimos, pautamos pela seriedade, já que não se aprende a utilizar a Tonfa em duas horas.

Roberto Vasques de Santana
Treina artes marciais desde os 12 anos, sendo formado em Karatê Okinawa pela academia Reis do Ringue através do mestre Manoel Torquato. Mestre de Judô, Kickboxing e Full Contact, é também professor de Kum-Bo-Tae, instrutor de Tiro Prático e no Tiro Olímpico e instrutor de Defesa Pessoal. Criador do Método Vasques de Tonfa, trabalha na área de segurança desde 1980. È proprietário da Ferkaw – Centro de Instrução.

Fonte: Revista MAGNUM edição OUT/NOV 2001 páginas 48,49 e 50.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: